Agora falo eu – Artigo de opinião

Foi assim que de forma educada e civilizada respondemos á contestação dos radicalistas e ditadores do gosto.

Começo por me apresentar, o meu nome é Maria (e não bárbara, como durante a manifestação de protesto contra a tauromaquia e o Maestro João Moura, me/nos teimavam em chamar).
Depois, sim, assassina me confesso! Mato moscas, melgas, mosquitos, ratos, ratazanas, lagartixas, pulgas, piolhos e mais uma quantidade infinita de bicharada que tenho algum medo ou nojo!

Tenho outro grande problema na minha vida, acho que sou uma pessoa bem formada e apesar de também dizer palavrões, tenho as minhas prioridades de vida bem definidas e quanto a mim normais. Gosto de tratar bem dos meus, os novos, os idosos e os de meia idade assim como eu.
Tenho imensos animais na minha vida, tenho um gato que adoro, há já 8 anos, tenho uma cadela que adoro, há 1 ano e meio e que trato com todo o amor, respeito e dedicação, pois são animais domésticos ou de companhia, como preferirem chamar.
Mas também tenho mais de 30 galinhas, pintos e 5 ou 6 galos, não sei precisar. A diferença é que estes últimos animais, são para me dar ovos e carninha da boa para canjas maravilhosas e os mais diversos pratos culinários. Pois… também mato galos e galinhas quando necessário. Já devo ir presa o resto da minha vida com a quantidade de animais que mato!
Agora é assim, o meu pai que toda a sua vida profissional activa (está reformado há uns anos) foi soldador, até aos dias de hoje, foi e é orgulhosamente caçador e pescador tudo isto como hobby. Ou seja, estou habituada a comer carne de coelho, lebre, perdiz, javali e outras iguarias magnificas. Já no verão, é robalos, bailas e sargos. Passei uma infância, juventude e meia idade sempre bem alimentada e saudável graças a Deus.

Agora depois de saberem sobre a minha vida gastronómica e de matadora de alguns animais, vou ao que aqui me traz.
Na passada 5ª feira tive o privilégio de poder estar presente na corrida de homenagem internacional ao Senhor que levou e elevou o nome do meu querido país e da tauromaquia pelas bocas do mundo, de tal forma que até os que não gostam da tauromaquia sabem quem ele é. João Moura – certo é que a minha presença activa no mundo tauromáquico tem cerca de 12 anos, mas a minha presença nas praças de toiros leva com já 43 anos ou até 47, dado que já na barriga da minha mãe eu ia aos toiros com o meu saudoso tio Zé Paulo e toda a minha vida ouvi falar do Maestro João Moura, do cavaleiro que revolucionou a forma de tourear a cavalo no mundo tauromáquico.
O meu Herói da infância junto com Emidio Pinto e outro saudoso maestro José Mestre Batista. Toda a minha vida ouvi falar do cavaleiro de Monforte, João Moura.

Ora então é o seguinte, nasci no ano de 1974, sou do ano da Revolução dos cravos, do ano da liberdade e da Democracia. Cedo aprendi a respeitar que não somos todos do Benfica nem temos as mesmas ideologias políticas nem religiosas, por isso mesmo aprendi a aceitar as nossas diferenças. E aceito e respeito que não gostem de tauromaquia, eu também não gosto de boxe nem de gente parva e mal formada, porém exijo que me respeitem de igual forma.

A tauromaquia é uma arte secular, muito enraizada no nosso país e na nossa cultura, para além disso é um espectáculo pago e de livre acesso, ou seja, ninguém obriga ninguém a ir nem a ver. Só vai quem quer e quem gosta. A isto eu chamo Liberdade e respeito pelo próximo.
Não posso é permitir que me chamem a mim ou à minha filha (como foi o caso) de bárbara, assassina e outros nomes como filha da puta, e que nos ameacem de morte e que ainda assim fiquem impunes.
Na próxima manifestação na porta de qualquer outra praça de toiros (faço cerca de 110 corridas por temporada em alturas normais sem covid) assim que alguém proferir para mim ou para qualquer um dos meus, palavras ofensivas, vou apresentar queixa à policia por agressão verbal contra esta gente desocupada e sem cultura.

Obrigada Maestro João Moura por estes mais de 40 anos de arte com que nos presenteou, obrigada por levar e elevar o nome do meu País e do meu concelho de coração (Monforte) pelo mundo fora.
Só um artista com esta grandiosidade enche o Campo Pequeno por dentro e por fora.

Obrigada à empresa Ovação e Palmas, pela pessoa do Dr. Luis Miguel Pombeiro pela coragem e determinação com que continua a promover e defender a Tauromaquia.

Viva a Tauromaquia, Viva Portugal Livre e Democrático.

Fora a Ditadura do Gosto.

Maria João Mil-Homens